Você sabe o que é diabetes gestacional?


Durante a gravidez todo o organismo da mulher passa por mudanças para se preparar para gerar um bebê e, por causa da alteração de alguns hormônios que agem de forma contrária à insulina e predispõem ao aumento da glicose no sangue, pode ocorrer um estado de “resistência insulínica”, conhecido como diabetes gestacional. A doença metabólica é a mais incidente na gestação e, segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes, atinge até 25% das mulheres no mundo.


A doença não possui sintomas, mas dentre os fatores de risco, os principais alertas são o excesso de peso, idade maior que 25 anos, histórico familiar de diabetes, antecedente obstétrico de macrossomia ou morte fetal e sobrepeso pré-gestação. O diabetes gestacional é caraterizado pelo aumento da glicemia que ocorre durante a gravidez em paciente que não tinha diabetes previamente, podendo ser transitória ou não.


Esse desequilíbrio pode trazer complicações tanto para o feto como para a mãe caso não seja feito diagnóstico e tratamento adequados. Por isso, toda gestante deve ser investigada, até as magras, porque a gravidez é diabetogênica, ou seja, é um fator causador de diabetes.

Quais complicações a doença pode causar?

Sem controle adequado podem haver complicações tanto para a mãe como para o bebê. No primeiro trimestre, aumentam os riscos de más-formações porque a hiperglicemia tem efeito tóxico para o feto, principalmente na organogênese. No segundo e terceiro trimestres, pode ocorrer macrossomia fetal, ou seja, excesso de peso do feto, que pode levar a dificuldades no trabalho de parto, além de hipoglicemia neonatal.


O diabetes também traz riscos de aborto espontâneo, dificuldades no trabalho de parto, risco do bebê e da mãe desenvolverem obesidade e síndrome metabólica no futuro. A mãe tem mais chances de complicações médicas e obstétricas como hipertensão, pré-eclampsia, parto prematuro e infecções do trato urinário”, esclarece.


Como diagnosticar?

O diagnóstico é feito com exames de sangue para avaliar a glicemia de jejum logo no começo da gestação. Dependendo do nível já é possível diagnosticar o diabetes gestacional, mas não é muito comum. Mesmo que o resultado seja normal, entre 24 e 28 semanas toda grávida tem que fazer o exame de curva glicêmica, teste de tolerância oral à glicose que, normalmente, é quando conseguimos quando fazer o diagnóstico da maioria porque nessa fase da gestação é que aumenta a resistência à insulina.


Como tratar?

O tratamento é extremamente eficaz e seguro quando a gestante faz o acompanhamento correto com o médico endocrinologista, cumprindo metas glicêmicas e fazendo a automonitorização. Somos muito rigorosos com essas metas que estão relacionados aos desfechos finais: não ter complicação.


Por isso, é muito importante se consultar, de preferência antes da gravidez, para contar com acompanhamento durante toda a gestação e também após a chegada do bebê.
0 visualização

Siga nas redes sociais :

  • Instagram Dra Fernanda Braga

© 2018 Drª Fernanda Braga. Criado por Plena Estratégias Criativas